9 DEZ. SEX. 21.30H
Mãos de Obra
Dança | GA | 5€| M/6 anos


O ponto de partida para esta peça é a tapeçaria mural de Portalegre. A sua produção é manual e parte de uma obra original de um pintor, para se transformar noutra obra de arte original têxtil. Esta proposta assegura-lhe uma continuidade, através de uma nova construção em formato imaterial: música e movimento.
Além do património têxtil edificado, a manufatura das tapeçarias de Portalegre representa um património social, uma memória coletiva que preenche o imaginário dos que habitam esse lugar. Aí reside a âncora desta proposta, a investigação que envolve a comunidade e que se irá refletir no processo criativo para a representação cénica.
Estes contributos darão lugar a um espetáculo feito em colaboração com uma bailarina e um músico. Procura-se que o tecer destes pontos de vista, destas técnicas e destas linguagens encontrem um caminho comum e provoquem uma ressonância para que o segredo que faz parte da identidade partilhada não se perca no fio do tempo.
 
FICHA ARTÍSTICA
 
Criação e Interpretação: Sara Afonso, Simeon Walker
Cenografia e Figurinos: Sara Afonso
Imagem/Vídeo: Lorena Sequeyro
Desenho de Luz: (a definir)
Residência Artística/Co-Produção: CAE Portalegre



 

15 DEZ. QUI. 21.30H
Régio
Música Ligeira | GA | 5€ | M/6 anos


Dar uma Toada ao poeta que deu uma Toada a Portalegre, é o grande objetivo do projeto Régio, que dá vida e voz a poemas de José Régio. Sentir Portalegre como o poeta a sentiu nos 30 anos em que fez da cidade a sua casa, sentir José Régio na alma dos que aqui vivem e a ele estão eternamente ligados e tornar viva a sua obra através da música, são os pilares de um projeto que une músicos portalegrenses de diferentes influências, numa criação musical única, que deixa um tributo para as gerações vindouras e que preserva memórias nas muitas gerações inspiradas por José Régio.

FICHA ARTÍSTICA

Composição musical : Bruno azeitona
Produção musical : Ivo Reis
Vocalista : Ana Mónica
Guitarra acústica : André Marmelo
Guitarra Portuguesa : Nuno Cirilo
Baixo : Bruno Azeitona
Backing Tracks : Ivo Reis
Residência Artística/Co-Produção: CAE Portalegre


 

16 DEZ. SEX. 21.30H
Ciclo in-ti-mis-ta – Joana Serrat - Hardcore from The Heart
Cantautora | PA | 5€ | M/6 anos


A cantautora catalã Joana Serrat regressou aos discos em 2021, com a edição de “Hardcore from the Heart”, depois de em 2017 ter publicado o aclamado “Dripping Springs”.    
Desta feita, a compositora e música deixou a sua terra natal de Vic e viajou até Denton, no Texas, onde se juntou ao engenheiro de som e produtor Ted Young (Kurt Vile, Sonic Youth, entre outros), e o seu som distinto, que alguém caraterizou como folk gaze, ganhou ainda mais forma e dinâmica.
Joana Serrat já visitou Portugal por diversas vezes, quer em concertos integrados em festivais, como Paredes de Coura e Gente Sentada, quer a solo.


 

17 DEZ. SÁB. 21.30H
The Gift - Coral
Pop | GA | 10€ | M/6 anos


“Dos estímulos que menos esperamos saem respostas. Como o filme  “La Grande Belleza”, de Paolo Sorrentino, que começa com um coro de nove vozes, que alimentam os quotidianos de tantas vidas. Como se as vozes conduzissem a banda sonora daquilo que fazemos, daquilo que somos... E se a raiz desse som que buscamos fosse o ser humano... A voz. As vozes.
A folha em branco encontrada. Um coro de um lado, ou no núcleo da folha... As múltiplas vozes dão a forma, o conteúdo, a mensagem. A outra voz, da Sónia por cima de tudo. As letras em português.
As vozes que fazem melodia, harmonia e ritmo e que dizem palavras.  Carregam e elevam o sentido de cada frase...  
A vida é  feita de contrastes, de coisas certas e erradas, de momentos bons e maus, de dias e noites. E depois do veludo da parte humana, o contraste...  O áspero da eletrónica. Crua, rude, cruel”.

 


4 JAN. QUA. 21.30H
Concerto de Ano Novo - Damas de S.Carlos em Quinteto
Valsas e Polkas da Família Strauss com Bailado
Música Clássica | GA | entrada livre | M/6 anos


As Damas de S. Carlos (agrupamento de instrumentistas de cordas da Orquestra Sinfónica Portuguesa), interpretam as famosas valsas e polkas da Família Strauss, tão ao gosto dos concertos de Ano Novo, acompanhadas por bailarinos, numa deliciosa coreografia.
Esta é a formação típica vienense que Johann Strauss usava para as suas atuações, em concerto, nos mais famosos cafés de Viena ou nos bailes populares de fim-de-semana.

Veliyana Yordanova - Violino I
Ewa Michalska - Violino II
Etelka Dudas - Viola
Diana Savova - Violoncelo
Anita Hinkova - Contrabaixo


 


7 JAN. SÁB. 16.30H
Concerto de Reis
Grupo de Cantares de Portalegre /
Grupo Coral Alentejano SFRAA
Música Tradicional | GA | 2€ | M/6 anos

O Semeador – Grupo de Cantares de Portalegre, virá de novo ao CAEP partilhar a sua música com o público, no já habitual concerto de Reis.
Cantar os Reis é uma tradição, é a partilha de votos de um bom ano com as suas cantigas, é uma tradição a manter!
Este ano acompanha-nos neste concerto o Grupo Coral Alentejano SFRAA.

“Boas Festas, Boas Festas
Tenham vossas senhorias
Com boas entradas de ano
Com saúde e alegrias.”
(Tradicional)

 


20 JAN. SEX. 21.30H
Ciclo in-ti-mis-ta - Kateryna Avdysh + Cineconcerto Mancini
Filme-concerto | PA | 5€ | M/6 anos


Depois de mais de 150 sessões em território nacional e internacional, o músico e compositor residente em Sines, Charlie Mancini, apresenta o seu cineconcerto infantil e para toda a família, no qual vai musicar um clássico do cinema pré-sonoro, o filme “Seven Chances/As Sete Ocasiões de Pamplinas” de Buster Keaton, realizado em 1925.
Similar a como um músico presta atenção ao maestro, Charlie Mancini mantém-se focado nas personagens projetadas no ecrã, para que o acompanhamento musical substitua na perfeição os diálogos e crie um ambiente distinto e único para cada cena.

Kateryna Avdysh é uma vocalista e compositora de jazz ucraniana, a líder do projeto ÀVDYSH.
Escreve música que toca os corações, imbuindo as suas composições das suas raízes ucranianas, criando arte contemporânea que todos podem apreciar.
Antes do início da guerra, estava a trabalhar no seu álbum de estreia e, depois de se mudar para Portugal, pretende continuar o seu sonho, de partilhar a sua música com o mundo.

 


21 JAN. SÁB. 21.30H
Quarteto em Mim - FADO - diferentes sonoridades, uma tradição
Música Ligeira | GA | 5€ | M/6 anos

 
O Quarteto em Mim apresenta, com os convidados Raquel Maria e João Vaz, um registo sobre o atual universo do Fado, reflexo da sua adaptação à contemporaneidade e, como tal, enquadrando multiplicidade e fusão de géneros musicais.
Por vício do tempo ou por adaptação à realidade social desse mesmo tempo, pela necessidade de recriar e inovar, o Fado surge. Poderemos dizer que as novas vestes do Fado o recriam e o transformam, sem deixarem de o caracterizar plenamente, permitindo apenas que aconteça num dado momento, pois só assim é Fado.
 
Violino I: Rui Ramos  
Violino II: Tamara Torres
Violoncelo: Cláudia Romão  
Piano, Arranjos e Direção Musical: José Raimundo

Convidados:
Voz: Raquel Maria  
Guitarra Portuguesa: João Vaz


28 JAN. SÁB. 21.30H
Carminho
Fado | GA | 15€ | M/6 anos


Com um percurso ímpar, que percorre todos os continentes, construindo uma massa de público fiel à sua identidade artística, Carminho prepara-se para um novo capitulo com o seu próximo álbum.
A ambição do novo trabalho de Carminho pretende colocar definitivamente um marco profundo como criadora, compositora, autora, intérprete, agregadora cultural e inspiração máxima de um Portugal contemporâneo.
Aquele que será o 5º trabalho de inéditos de Carminho teve o seu arranque marcado numa residência artística em Lisboa, nos estúdios Namouche. Após o sucesso de “Maria”, editado em 2018, com uma digressão mundial, sucedeu-se igualmente a marcante e exclusiva colaboração com Caetano Veloso no disco “Meu Coco”, no tema “Você Você”, em que a presença de Carminho se demarcou por ser a única convidada do álbum.

 


3 FEV. SEX. 21.30H
Ciclo in-ti-mis-ta - Rita Braga
Canta autor | PA | 5€ | M/6 anos


Para entrar no universo de Rita Braga, imaginem-se num local que se assemelha a um circo americano do século passado onde, depois de se dirigirem ao interior de uma tenda, se deparam com uma casa de espelhos.
Cada um desses reflexos exibe uma faceta sua: a naïve art de Space Lady; os bizarros sons de Bruce Haack; o minimalismo de Young Marble Giants; a cinematografia de Eraserhead e toda uma espiral de fantasmas e viagens no tempo.
O que têm todos estes reflexos em comum? O peculiar uso do ukulele por Rita Braga, acompanhada de teclados e caixas de ritmos vintage e banjolele.

Ao quarto álbum de originais, “Illegal Planet”, com lançamento em 2023, a multi-instrumentista cruza a pop sci-fi com a folk sintetizada, num registo de sabor futurista e desprendido de seriedade , característica  que Rita tanto evita  como se estivéssemos numa viagem ao espaço mas de caravana.


4 FEV. SÁB. 21.30H
Ciclo in-ti-mis-ta - A VIDA É SEMPRE PREFERÍVEL
Acção Poética /Teatro Electroacústico de Miguel Azguime | GA | 5€ | M/6 anos


O compositor, o poeta e o performer voltam-se a reunir num só, a solo, para uma nova incursão pela palavra enquanto música e pela música enquanto palavra.
“A Vida é sempre preferível ou o monólogo do Sal, para lhe completar a medida” é um work in progress à procura de um novo devir, regresso à palavra e às suas transformações eletrónicas, reflexão sobre o homem e o mundo, onde a vida é sempre o caminho e o lugar preferível.

Miguel Azguime: Performer, Composição Musical e Textual
Paula Azguime: Difusão Sonora & Eletrónica em tempo real

 


11 FEV. SÁB. 21.30H
Concerto da Roda das Estações
Um concerto para toda a família com participação especial de AMÉLIA MUGE – 21.30h
Conversa com Amélia Muge – 17h
Música | GA | 5€ | M/6 anos


Dia 11 Fev. 17h – Entrada Livre
Infância – Questões que desafiam a criação. Conceitos, modelos, linguagens, temáticas e relação interdisciplinar.
Conversa com Amélia Muge abordando exemplos de participação artística em diferentes contextos: teatro, intervenção sócio-cultural e educativa, música, literatura e áudio-visual para crianças. Objecto artístico e espaço plural de comunicação.

A banda sonora dos espectáculos da Estação dos Quatro Poemas, que o CAE Portalegre estreou em sua casa, apresenta-se agora em concerto, cantigas e histórias, gizadas para as crianças e para as suas famílias, assim tenham o tamanho do mundo e mais coragem para mergulhar nos recantos insólitos do reino da música.
Rita Maria e Nazaré da Silva dão voz às canções e lenga-lengas que se enleiam em contextos métricos e tonais próprios de contos de fadas, muito bem tidas por uma banda de destemidos que se divide e vem ora do jazz ora da música tradicional: Juliana Mendonça, Luís Cunha, Maria Ceia, Tom Maciel e ainda Amélia Muge e um grupo de jovens músicos da cidade de Portalegre.

Música: Maria Ceia
Arranjos e Direção Musical: Luís Cunha
Apoios: Direção Geral das Artes - República Portuguesa (cultura), Centro de Artes do Espetáculo de Portalegre - Município de Portalegre, Antena 2, Associação dos Amigos do Tocá Rufar e Associação para a Promoção das Artes na Comunidade
Agradecimentos: Sociedade Musical Capricho Setubalense


18 FEV. SÁB. 21.30H
Invencível Armada
A partir de texto inédito de Maria da Graça Varella Cid
Teatro | PA | 5€ | M/12 anos


A partir do texto inédito “Invencível Armada”, de Maria da Graça Varella Cid, Cátia Terrinca encena uma liga de mulheres – circo/círculo de vozes para vencer trinta espectadores. Como ninfas, cantam para seduzir a audiência, a quem falam de intimidade e de guerra, descrevendo uma cidade livre que se ancora num cárcere metálico.

Direção Artística: Cátia Terrinca
Dramaturgia: Ricardo Boléo
Cenografia: Bruno Caracol
Luz: João P. Nunes
Voz: Bruno Huca
Movimento: Sara Afonso
Design: David Costa
Interpretação: Cátia Terrinca, Cheila Lima, Elizabeth Pinard, Joana Martins, Maria João, Mariana Bragada, Patrícia Andrade, Sara Brandão, Teresa Machado
Produção Executiva: UMCOLETIVO
Coprodução: UMCOLETIVO, CAEP – Centro de Artes do Espetáculo de Portalegre, RTP e São Luiz Teatro Municipal
Agradecimentos: José Oliveira


25 FEV. SÁB. 21.30H
Rui Veloso Trio
Com Alexandre Manaia e Eduardo Espinho
Pop / Rock | GA | 20€ | M/6 anos


Rui Veloso, o grande nome da música portuguesa e um dos mais influentes, com uma carreira repleta de sucessos que atravessam gerações, num formato único: um concerto intimista com trio de guitarras.
São mais de quarenta anos de canções do cantor, compositor e guitarrista, que continua a levar a sua música, agora também de todos nós.
E uma vez num concerto do Rui Veloso, afinem-se as vozes, para cantar em uníssono todas as canções de várias gerações. Um concerto a não perder.


3 MAR. SEX. 21.30H
Ciclo in-ti-mis-ta - Alda
Canta autor | PA | 5€ | M/6 anos


Alda, eu sou o alter-ego da Carolina Costa e nasço da vontade que ela teve de explorar novas aventuras no mundo da música.
Há pessoas que andam confusas sobre a minha identidade. Eu sou portanto a forma que a Carolina arranjou de ir sabendo equilibrar a vida do dia-a-dia, com a vida desafiante e por vezes emocionalmente desequilibrada que alguém que faz música pode ter. Ela escolheu-me este nome pelo facto de ser simples, curto, lido em várias línguas (sim porque ela acha que eu vou longe e vou conquistar Portugal além fronteiras) e sobretudo pela simples forma de homenagear a avó paterna que se chamava Alda.
Às vezes chamam-me Carolina, às vezes chamam-me Alda e ainda há dias em que me chamam Rope Walker. Sim, porque sem a existência da banda Rope Walkers, eu também não estaria aqui.

 


10 e 11 MAR. SEX e SÁB
Horned Snake Blues Fest.
Festival de Blues
Concertos desenhados por João Sequeira


Os concertos desenhados, são um conceito que integra a projeção de desenhos feitos em tempo real produzidos ao som de música ao vivo.
Os desenhos são o cenário da banda e a resposta visual e plástica às sonoridades percebidas pelo desenhador.
Quando desenhamos, o nível de concentração faz com que os sons sejam percebidos mais longe, como um eco, como qualquer coisa que está em segundo plano.
Por isso, os resultados são, na maior parte das vezes, desenhos mais abstratos do que figurativos, e a consequência de uma resposta mais emocional do que intelectual, que acrescenta mais um instrumento ao conjunto da banda.
Para esta série de concertos de blues que vou acompanhar, o azul será a cor predominante.

João Sequeira, Portalegre (1971). Licenciado em arquitetura (1995). Frequentou os cursos de desenho na SNBA, desenho e pintura no atelier Arte Ilimitada, banda-desenhada no CITEN e design de animação e multimédia na ESTG-Portalegre. Faz BD desde 1994, tendo participado nos fanzines Alçapão, Gambuzine, Tertúlia BDzine e Efeméride. Ao longo dos anos, participou em diversas exposições individuais e coletivas com trabalhos de desenho e banda desenhada.


10 de Março - Sexta
Blues | PA e CC | 5€ | M/6 anos

Peter Storm & The Blues Society – 21.30h – Pequeno Auditório (concerto desenhado)


Renovados em 2019, Peter Storm & The Blues Society apresentam um concerto versátil e intimista, com temas reais, de histórias reais, presentes no seu álbum de originais, “First”, de 2020, bem como novos temas do segundo álbum em preparação
Com reconhecido som e estilo muito próprio e distinto, transportam também o público ao lado mais clássico e conservador do Blues. As suas aclamadas canções originais, ou as recriações dos clássicos de James Harman, Pistol Pete e Roy Hytower, Albert King, Lonnie Brooks, Buddy Guy, BB King, Magic Slim, Jimmy Burns, etc., transformam o concerto numa verdadeira viagem musical.

Sugartown Duo – 23.30h – Café-Concerto

Sugartown Duo é uma dupla formada por Kristina Zurauskaite e João Pedro Lobo, que revisita os clássicos do início do século passado, em especial as vozes femininas desse período dourado.
Um formato acústico, intimista, mas com energia contagiante, que mistura os clássicos do blues com baladas de jazz, passando pelo swing ou bossa nova.
Em 2020, o Sugartown Duo começou a trabalhar nas suas músicas originais. O duo já lançou dois singles - “1001 Nights”, com a participação do João Cabrita e “Kitchen Dancing”.

11 de Março - Sábado
Blues | PA e CC | 5€ | M/6 anos

Vítor Bacalhau – 21.30h - Pequeno Auditório (concerto desenhado)


O algarvio Vítor Bacalhau é actualmente um dos nomes mais sonantes no rock & blues em Portugal. O talentoso cantor, guitarrista e compositor começou a sua carreira na música com apenas 15 anos de idade, e em 2010 mudou-se para Londres, onde depois de inúmeras experiências musicais e pessoais, se tornou bem claro qual o caminho que iria traçar.
Conta já com quatro discos editados, aclamados pela crítica especializada e pelos seus pares.
O seu último trabalho, “I Am Leaving”, EP de 2019, é um disco onde são exploradas mais do que nunca as sonoridades mais rootsy e bluesy. Ao vivo, apresenta-se em formato Power Trio, onde a guitarra, a voz, e as canções do artista assumem um papel central.

Double Shot Blues – 23.30h - Café-Concerto

Ruben El Pavoni e Pedro Teixeira são os Double Shot Blues. E cada concerto é uma festa.
Voz, guitarra, contrabaixo e harmónica trazem-nos um repertório que passa pelo blues, clássicos de rock n' roll, rockabilly, desde Elvis, Bill Haley, Johnny Cash, entre muitos outros.

 


25 MAR. SÁB. 21.30H
Massa Mãe
Teatro | GA | 5€ | M/16 anos


Em Massa Mãe, encontramos uma gaiata a esmiuçar parte da sua identidade – a que está bordada com corações minhotos. Esta minhota puxará a brasa à sua sardinha, mas também irá preparar terreno para tirar nabos da púcara. Vamos até ao tempo da Maria Cachucha, brindar com vinho verde enquanto acertamos agulhas, que parece haver um ou outro empecilho ainda em banho-Maria. Não é tudo farinha do mesmo saco, mas quase tudo do saco desta minhota, que já em garota falava pelos cotovelos, mas isso… são outros quinhentos. Há tradições ou convenções? a dar c’um pau, e umas não são grande espiga, outras andam aí vivaças da silva e com saúde de ferro. A verdade é que todos comemos do pão que o diabo amassou e ainda lambemos os beiços a seguir.
Mas hoje é esta minhota que amassa a broa. Bom apetite.

Criação e Interpretação: Sara Inês Gigante
Apoio à Criação: Maria Luís Cardoso
Música e Interpretação Musical: Carolina Viana
Colaboração Dramatúrgica: Tiago Jácome
Apoio pontual no processo criativo: Rafael Gomes
Cenografia: F. Ribeiro
Figurinos e Marioneta: Ângela Rocha
Confeção de Figurinos: Aldina Jesus
Desenho de Luz: Gonçalo Carvalho
Operação de Som: Hugo Oliveira
Produção Executiva e Comunicação: Bernardo Carreiras
Design Gráfico: Pedro Azevedo


Residência de Co-produção: Espaço do Tempo, DeVIR CAPa, 23 Milhas
Apoios/Co-produções: Centro Cultural Vila Flor - A Oficina, Teatro José Lúcio da Silva, CAL - Primeiros Sintomas, CDV - Teatro Municipal Sá de Miranda, Teatro Municipal Baltazar Dias, Centro de Artes do Espectáculo de Portalegre, Teatro Municipal Diogo Bernardes, Festival Y - Quarta Parede, Câmara Municipal do Porto - Cultura em Expansão, Polo Cultural das Gaivotas, Companhia Olga Roriz
Apoio Financeiro: DGArtes - Ministério da Cultura

 


31 MAR. SEX. 21.30H
1001 noites
Teatro | PA | 5€ | M/6 anos


1001 Noites é um projeto cívico e artístico de longa duração que, através do teatro radiofónico, resgata do esquecimento a obra de mulheres portuguesas do século XX. Qual Xerazade, embalam-se os ouvintes, apaixonando-os por uma constelação de mulheres esquecidas, apagadas, censuradas e torturadas. No CAEP, acontecerá uma única sessão de escuta, que mapeia mulheres de Portalegre e as suas memórias.

Direção Artística: Cátia Terrinca
Dramaturgia: Ricardo Boléo
Pesquisa: Cátia Terrinca e Raquel Pedro
Interpretação: Cátia Terrinca e Mariana Bragada
Iluminação: João P. Nunes
Sonoplastia: Mariana Bragada
Design: David Costa
Apoio: Antena 2
Produção: UMCOLETIVO